Especialista em vinhos: Amantes, entendidos e experts

Enólogo

Enologia é a ciência que se dedica ao estudo do vinho. Um conhecimento abrangente e profundo, que vai desde a produção à sua conservação e que exige tanto de ciência quanto de sensibilidade, tanto de matemática quanto de física e química e onde climatologia ou microbiologia são matérias a dominar. O enólogo é, portanto, aquele que acompanha todas fases da vida de um vinho, sendo por ele responsável. Uma etapa que começa na eleição do solo e na avaliação das características do terroir, e só termina quando o vinho, já produzido, engarrafado e envelhecido é vendido. Dele, do enólogo, depende a eleição das castas mais adequadas, todo o processo de plantio, o método de vindima e a época certa para o fazer, a transformação da uva em vinho, a decisão sobre quais os procedimentos e técnicas de vinificação, para obter determinado resultado e sabor, o método de envelhecimento, engarrafamento, melhor altura para ser colocado no mercado e até, não raras vezes, a venda do produto final. Abreviando, que tal como qualquer outra ciência a enologia é complexa, o enólogo é o maior conhecedor de vinho e aquele que sobre ele tem maior influência, a par da Natureza, pois, na verdade, a ambos deve o vinho a sua paternidade. Enólogo é o expert que, com base na equação formada por terra, casta e clima, consegue desenhar um vinho, criando-o de raiz e determinando toda a sua produção, imaginando e adivinhando já o seu sabor no palato.

Se acredita em magia, enólogo é o mago.

Escanção

Escanção é um expert. Verdadeiro entendido e entendedor do universo vinícola, dele depende a garrafeira de um restaurante ou bar, bem como de lojas da especialidade que se dedicam ao vinho e outras bebidas. Armazenamento, acondicionamento e temperatura do vinho, bem como gestão da adega são igualmente da sua responsabilidade. A sua especialização depende de constante estudo e atualização, a fim de estar a par do que se passa em termos produtivos e de tendências de consumo, o que engloba o universo culinário, na medida em que é da alçada do escanção a elaboração da carta de bebidas e as melhores sugestões de harmonização. Tarefa que não é de somenos importância. A eleição do vinho certo para determinado prato é a diferença que faz toda a diferença numa experiência gastronómica que se pretende inesquecível. Um bom escanção resulta de formação, estudo apurado, sensibilidade e amor ao vinho. Um bom escanção é ainda o melhor embaixador de um vinho junto do consumidor.

Se gosta de performances, escanção é um artista.

Sommelier

Em bom português, sommelier é, hoje, apenas um estrangeirismo francófono que designa o mesmo do que escanção. A palavra, de origem provençal, perde-se nos tempos e definia o condutor de animais de grande porte que faziam o transporte de mercadorias, nomeadamente de vinho. Ao sommelier cabia ainda provar o vinho antes do rei, a fim de garantir a sua qualidade e, principalmente, que não estaria envenenado. A evolução do termo passou a consagrar, mais tarde, outro estatuto ao sommelier, enquanto encarregado do abastecimento e manutenção da despensa, adega e do serviço de mesa e de vinho nas casas reais e nobres. Por esses tempos, sommelier estava abaixo de escanção. Por estes dias, essas mordomias encontram-se apenas em bons restaurantes e o termo acabou a significar o mesmo do que o nosso bem português escanção.

O sommelier é um escanção.

Enófilo

Enófilo é um apaixonado pelo vinho. Um apreciador requintado e especializado, em constante busca de conhecimento, que gosta de aprofundar o seu saber, lendo sobre vitivinicultura e aprendendo a distinguir castas e diferentes técnicas de produção. O enófilo está abaixo do escanção, até porque não é um profissional, mas é seguramente um consumidor informado e exigente, que gosta de fazer as melhores escolhas. O seu apreço pelo sagrado universo do vinho leva-o, não raras vezes, a frequentar cursos para aprofundar os seus conhecimentos.

O enófilo é um autodidata.

Amantes

Para o fim, deixámos os amantes, os dedicados e apaixonados apreciadores. Aqueles para quem o vinho importa, dedicando-lhe atenções e honrarias de bons jantares entre amores, amigos e todos aqueles que mais se ama. Longe de conseguirem produzir ou avaliar um vinho e podendo não ser exímios em harmonizações, os amantes sabem bem quando esta resulta no palato, tendo sensibilidade e conhecimento ainda para mais alguns feitos do olfato e do paladar. Se nos acompanha nestas linhas, será seguramente um deles. Bem-vindo, já que bons amantes nunca são de mais.

Amantes somos todos nós.


Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus amigos!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top

Confirme a sua idade

Tem idade legal para consumo de bebidas alcoólicas?