Bons vinhos portugueses – Uma escolha difícil, de tão rica e variada

Tendo em conta a dimensão e área geográfica do país, características de solo e topografia, as extremadas condições climáticas de norte a sul do continente, ainda mais temperamental nas ilhas, Portugal é, seguramente, um dos países do mundo com uma das mais notáveis, variadas e profícuas produções vitivinícolas. De qualquer pedaço de terra aprendemos a fazer bons vinhos. Muito bons vinhos, mesmo! Os poderosos do Douro, os ricos e frutados alentejanos e os tintos suaves, refrescantes e com notas de acidez do Dão são apenas alguns exemplos da diversidade e qualidade, associadas a terrenos e climas tão distintos quanto exigentes. Castas autóctones – mais de 280 castas nativas que não se encontram em nenhuma outra parte do mundo –, um passado milenar na arte de fazer vinho, testemunhado pelo próprio Império Romano, a mais antiga região demarcada do mundo e a resiliência de um povo conhecedor, que não se atemoriza com cabos nem tormentas, resultam num impressionante património vínico, que começa a dar brado além-fronteiras.

Não somos só nós a dizer, os entendidos também falam disto

“Considero Portugal um país de extremos – em termos de paisagem e clima, rocha e calor –, mas os seus viticultores mais talentosos conseguem produzir, mesmo nas condições mais adversas, néctares para se refrescarem. Provei alguns vinhos muito bons que incluíam e misturavam castas internacionais, mas fiquei mais entusiasmado com aqueles feitos a partir de castas indígenas que não poderiam ter vindo de outro lado a não ser de Portugal. Tamanha diversidade aliada à qualidade, ainda deixa muito por descobrir. Só espero que alguns destes vinhos, os mais portugueses dos vinhos portugueses, se tornem mais amplamente disponíveis em todo o mundo.” Estas são palavras da Master of Wine britânica Julia Harding, a mundialmente conhecida autora e editora do site Jancis Robinson, proferidas em 2012, em entrevista ao site Catavino. Desde então, os bons vinhos portugueses, e são muitos, têm vindo a conquistar o seu espaço internacional, a ser mais conhecidos, divulgados e procurados mundialmente, dando o tal salto de que Harding falava. Falamos de prémios, referências em publicações da especialidade, claro que sim, mas falamos também de uma oferta mais generalizada capaz de chegar a mercados de todo o planeta e de novos consumidores que já procuram os nossos vinhos pelo nome.

 

Produção biológica e responsável

Há muito que Portugal deixou de ser conhecido apenas pelo vinho do Porto ou da Madeira, que tiveram nos ingleses os seus mais fiéis embaixadores. Hoje, o mundo reconhece a qualidade e prestígio dos bons vinhos portugueses, nascidos de castas nativas como Touriga Nacional ou Tinta Roriz, entre tantas outras. O próprio Douro, excelso cartão de visita, com os seus intensos tintos, apresenta-se hoje, lado a lado, com outras regiões do país. Uma das mais emergentes e premiadas é a região do Dão, terra de relevos graníticos, de onde é originária a casta Touriga Nacional, a par de alguns dos melhores e mais elegantes vinhos portugueses. Um patamar de excelência em que os vinhos Julia Kemper, nascidos no Dão, há muito se impuseram. A séculos de conhecimento familiar sobre a nobre arte de transformar uvas em vinho, intempéries em colheiras de exceção, terra em prazeres degustativos, Julia somou a produção responsável, apostando em vinhos biológicos e vegan, nascidos e acarinhados por uma agricultura natural, biológica e biodinâmica, num consciente contributo para o necessário equilíbrio da biodiversidade. Dedicação, paixão e respeito pela Terra – não apenas o Dão, mas o próprio Planeta –, são lemas sérios e assumidos do início ao fim do processo de cultivo e de produção dos vinhos Julia Kemper. Uma mão cheia de conhecimento, outro tanto de amor ao que se faz e a como se faz e o resultado são alguns dos melhores vinhos do Dão, que ao peito levam medalhas conquistadas com mérito e honestidade. Vinhos que respeitam, homenageiam e elevam Portugal, um país em cujas veias corre o vinho, o bom vinho.


Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus amigos!

Deixe um comentário

Scroll to Top