Marcas de vinhos portuguesas

Vinhos biológicos portugueses – O planeta precisa deles, e os apreciadores de vinho também

Os vinhos biológicos portugueses representam apenas uma pequena fatia de toda a produção vinícola nacional – uma proporção que se reflete a nível mundial –, mas desbravam um caminho seguro, rumo a um futuro mais sustentável. O planeta Terra agradece!

Viticultura em regime biológico

Vinhos biológicos são todos aqueles que, desde a produção das uvas à sua transformação na adega, recusam qualquer aditivo sintético e descartam a química de síntese, do plástico e do petróleo. O mesmo é dizer que resultam de uma agricultura natural, biológica e respeitadora das pessoas e do meio-ambiente, que descarta inseticidas e pesticidas. Para muitos, o compromisso bio fica-se por aqui, mas há quem estenda o conceito até à adega, onde se opera a verdadeira transformação da uva em vinho desdenhando, também aí outros aditivos quimicamente manuseados. Uma agricultura de perfil biodinâmico, conduzida por filosofias ancestrais apoiadas, hoje, por uma ciência mais conscienciosa, apostada no equilíbrio e na biodiversidade dos ecossistemas. Uma visão em que o Homem se alia à Natureza, e em que cultivo e produção agrícola são sinónimos de cuidado, amor, inteligência e respeito.

Agentes secretos numa missão possível

No processo de produção de vinhos biológicos, um apaixonado compromisso de Julia Kemper, a ciência e o engenho tomam o lugar dos químicos. A ação nefasta de inseticidas e pesticidas, utilizados na prevenção e eliminação de pragas, é substituída por procedimentos naturais. Na Quinta do Cruzeiro, em Mangualde, tudo obedece a princípios naturais, que implicam muito conhecimento e mão certeira. Sementeiras mistas, com um programado e bem adequado cocktail de plantas adaptado especificamente ao tipo de solo, são chamariz de uma diversidade de espécies animais que promove o controlo de doenças nas vinhas. Em terras do Dão, na Beira Alta, onde toda a magia da fertilização e proteção bio acontece, compostagem de mato, bagaço de uva e estrume são agentes secretos numa missão possível. Uma tarefa na qual lhes cabe corrigir os níveis de matéria orgânica dos solos e, assim, obter equilíbrios naturais. Este, podemos dizê-lo, é um jogo de marionetas manuseado pelo Homem e assegurado pela Natureza, numa oscilação climática que no Dão é, para não dramatizar, rigorosa e temperamental. Porque produzir não deveria nunca ser sinónimo de destruir ou desajustar, menos ainda contrariar os desígnios do ecossistema que Julia Kemper aposta em preservar.

Pode constatar tudo isto e muito mais, agendando uma visita às vinhas de Julia Kemper, no Dão – através de um dos programas vinícolas inseridos nas atividades de enoturismo – onde se produzem alguns dos vinhos biológicos portugueses mais sedutores.

Sabe muito bem proteger o ambiente e o planeta

O resultado é puro e é bom. Não apenas pela satisfação de não se ferir o meio, nem desequilibrar os ecossistemas, onde a mão humana insiste ainda em ser, demasiadas vezes, desajustada, mas porque os vinhos biológicos portugueses se revelam com uma inesperada qualidade.

A já longa carta de vinhos biológicos Julia Kemper inclui tintos, brancos e rosé. São vinhos elegantes, de textura excecional, com uma deliciosa acidez, que se revelam um festival no palato. Um perfil que denuncia bem a mestria com que Julia Kemper já domina a produção biológica, que resulta em aromas e sabores mais puros. Um saber que não é estanque e que incita à constante aprendizagem e aprimoramento de técnicas e conhecimentos, razão pela qual Julia nunca se acomodou, inovando e desbravando novos processos e saberes e ajustando-os aos critérios biológico, a princípios orgânicos e vegan.

Não apenas bio, como também vegan

Os vinhos biológicos Julia Kemper são ainda vegan, por não utilizarem qualquer produto de origem animal, como as gelatinas, claras de ovos ou vesículas de peixe, muitas vezes empregues no processo de clarificação do vinho. Pedra calcária, caulino, argila, gel de sílica e placas vegetais, entre outras substâncias, são alternativas vegan para o mesmo procedimento. Mais demorado, mas mais natural, é aguardar a sedimentação natural, dando tempo a que todas as pequenas partículas resultantes da transformação da uva assentem por si só – uma garantia dada pela lei da gravidade – até se obter um vinho mais límpido e cristalino.

Ficou com curiosidade? Satisfaça-as provando os nossos vinhos biológicos, num dos nossos espaços ou vá à nossa loja online e saboreie-os em casa.

Carta de vinhos bio-vegan Julia Kemper

Tintos:

Branco:

Rosé:

 


Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus amigos!

Deixe um comentário

Scroll to Top